34

Esperança em meio ao luto
03/09/2017

“Ao cheiro das águas brotará…” (Jó 14:9)

Recebi o convite para escrever sobre Esperança, quando cheguei em casa de um ato fúnebre de um jovem médico de 34 anos, 2 de formado, recém-casado e com uma filhinha de um ano. Gente muito querida! Estava triste, pensativa, me sentindo pequena diante de tanta dor que tomava conta do coração da minha amiga, mãe do rapaz. Como escrever sobre esperança?

O dicionário descreve esperança como: “fé em conseguir o que se deseja” e eu desejava naquela hora ter alguma coisa para dizer àquela família e não conseguia. No dia seguinte fui até a casa delas, um lugar lindo, chovia muito e as plantas estavam molhadas, verdinhas, viçosas e uma árvore que havia sido podada, brotava com tanto viço “ao cheiro das águas”. Deus estava ali! Realizamos o culto e o meu coração apesar de ainda muito triste, tive a certeza de que a esperança de dias frondosos existem.

Deus faz assim, faz brotar, não deixa morrer, levanta a esperança que vive em nossos corações, pois Ele prometeu que estaria com cada um de nós nesses momentos também. Não pare de viver seu dia, coisas pequenas, o tempo, pessoas, tudo, Deus cuidará para que o cheiro das águas brote algo novo e belo em nós. Ele fará nova todas as coisas, porque é a nossa esperança e confiança, desde a nossa mocidade. (Sl 71.5).

(Nísia Penna Mentasti)